Aconteceu por fim

O contrato já estava assinado há bastante tempo, e a tradução já tinha sido entregue há quase tanto, mas estas coisas levam o seu tempo, e eu não queria cair na mesma armadilha de sempre de anunciar algo que ainda não tinha 100% confirmado. Por isso, é com um misto de alívio, alegria, orgulho e renovado sentido de obrigação para com os meus leitores que hoje anuncio oficialmente que, quinze anos após a sua publicação, A Manopla de Karasthan parte por fim numa aventura além-fronteiras. La Manopla de Karasthan irá ser publicada pela Ediciones B, do México, e irá lançar a colecção Sin Límites, e, sim, os leitores mexicanos terão acesso à versão “remasterizada” da Manopla em formato de papel antes dos portugueses. Injusto, poderão dizer alguns, mas assim é a realidade do nosso mundo globalizado, ao qual a literatura também não escapa.

Eu já há algum tempo que abordava editoras estrangeiras, tendo há muito tomado a iniciativa de traduzir a Manopla precisamente para esse efeito. Contudo, rapidamente me dei conta do quão privilegiados os autores portugueses são, na medida em que não precisam de um agente como intermediário para abordarem as editoras do nosso país. Lá fora, não é tão simples assim, e perdi a conta às editoras que não se mostraram sequer dispostas a falar com um autor que não tivesse agente. Como tal, em 2012, lá abandonei os meus devaneios de independência e a minha mania de querer fazer tudo sozinho e arranjei por fim uma agente. Cinco anos depois, o resultado está à vista, e só não me arrependo de não o ter feito mais cedo porque sou um firme crente nas questões dos timings da vida, e que há momentos para tudo. E parece que chegou o momento de Allaryia ser posta à prova lá fora.

Curiosamente, tudo isto chega numa altura quase serendipitosa, logo agora que, a meio de uma série de outros projectos, estou na fase preliminar do regresso a Allaryia, a rever apontamentos e a reler os livros. Já tinha saudades e, embora seja cedo para dizer que é bom estar de volta, posso afirmar com confiança que comecei finalmente o caminho de regresso. E que vai ser mesmo bom voltar a casa.

This entry was posted in Allaryia. Bookmark the permalink.

Comments are closed.