Filipe Faria
64 subscribers
228 photos
3 videos
1 file
31 links
Canal do autor
Espalhem a Palavra com stickers de Allaryia https://t.me/addstickers/Allaryia
Download Telegram
This media is not supported in your browser
VIEW IN TELEGRAM
De volta aos Balcãs, para a noiva matar saudades da família e para tratarmos de papelada.
Para quem gosta de futebol: Segundo reza a história local, o Modrić foi emprestado ao Zrinjski Mostar porque, durante os seus anos formativos, era demasiado enfezado e raquítico. Não sei se isso diz muito ou pouco do clube, mas certo é que assinalaram esse facto com um mural.
Bora

Vento muito seco e frio, que sopra no Adriático e no Mar Negro. Normalmente, evito ter aqui palavras demasiado específicas a regiões. Mas, embora sempre me tenha dado melhor com…
Sensacionalismo

Agora que o Manuel terminou praticamente o álbum, achei apropriado partilhar convosco mais umas quantas imagens promocionais, desta feita com legendas sensacionalistas. Romance…? Skysurfing com um escudo! Bichos feios! Raiva……
A minha estadia herzegovina tem sido menos aventureira desta vez, até porque vim acompanhado e porque a viagem foi sobretudo para tratar de papelada.
Mas, como ainda vou ficar por cá mais uma semana e não queria deixar a ocasião passar em branco, decidi criar uma rubrica temporária e sem nome para partilhar convosco palavras locais. Seja por me encherem as medidas fonéticas, pela sua consonância absurda, ou só por terem piada, estes vocábulos são a introdução perfeita à paisagem sonora dos balcãs, e a palavra de hoje é:
🇭🇷Kikiriki🇭🇷 Amendoim. Se são patetas como eu, provavelmente pensaram no cantar do galo. Mas os galos croatas cantam kukuriku. Kikeriki cantam os galos na Albânia, onde ao menos se tem a decência de chamar kikerikë aos amendoins.
Acreditem ou não, há aulas de português (de Portugal!) por aqui, e tive o prazer de assistir a uma. O vinho era herzegovino, os doces, sérvios, as pipocas digamos que eram croatas, e a hospitalidade, essa, foi puramente balcânica. Esta nação nunca deixa de me surpreender.
🇭🇷Vrhnje🇭🇷 Nata. Tudo bem que há o tal "e" escondido atrás do "r", e que o "j" tem um som tirante a "i", mas não deixa de ser uma palavra com cinco consoantes seguidas.
🇭🇷Čvrst🇭🇷 Firme. E, na sequência de uma palavra com cinco consoantes seguidas, porque não uma palavra sem vogais...? Qual solidez que se recusa a ser minada por sons abertos.
(Lida pelo meu cunhado, para melhor destravar línguas.)
🇭🇷Rukavica🇭🇷 Manopla. Não soa lá muito bem, confesso (ru-CÁ-vi-tsá). Sobretudo porque o título do volume ficaria Karasthanova Rukavica. Mas fica aqui o registo.
Umas três últimas curiosidades balcânicas antes da minha partida:
1) Na Herzegovina ocidental, mais próximo da fronteira com a Croácia, os sinais rodoviários parecem estranhamente vazios, ou com demasiado espaço vazio para tão poucas palavras. Isto porque as versões em cirílico dos nomes (para a população sérvia) são frequentemente tapadas por etiquetas ou autocolantes da mesma cor dos sinais. O que está um nível acima dos toscos grafitos e actos de vandalismo que se vêem nos sinais da Herzegovina central para oriente.
2) Eu e a minha noiva já fomos repetidamente agraciados com o elogio de que parecemos irmãos. Da parte de primas, tias e madrinhas, dos vales da Herzegovina até à costa da Dalmácia. Parece ser uma cena aqui por estas bandas, mas sinceramente não sei o que achar disso.
3) Em croata padrão, "tomate" é rajčica. Mas, na Herzegovina, por um qualquer motivo insondável (acho que já o sondei, mas não me lembro), chamam-lhes paradajz (sim, soa a "paraíso" em inglês). Já na Dalmácia, em virtude da histórica influência italiana, chamam-lhes pomidora.
Bosquejo

Descrição sumária e despretensiosa. Sou tradutor de profissão, e é frequente deparar com uma maior tolerância de número de caracteres quando traduzo do inglês para o português. Porque o nosso…
A Terra do Sempre

Nos tempos de escola, eu era o rapaz solitário que fazia as coisas a seu ritmo, no bom e no mau sentido. Fui o disseminador de bandas de power metal…
Obsessivo-compulsivo

Há já algum tempo que o silêncio reina aqui por este espaço, por motivos de iminente casamento intracomunitário. Embora o blogue se tenha tornado mais «blogue», na medida em que…
Começar um novo capítulo e fechar outro

E pronto, sou um homem casado. Pelo menos perante Deus, porque César parece que ainda não recebeu a certidão no IRN (a saga burocrática ainda não terminou), mas em todo…